Da inovação ao Impacto

Nairobi, capital do Quénia, acolhe durante os dias 16 e 19 de Maio a oitava Conferência de Tecnologias de Informação e Comunicação para o Desenvolvimento (ICT4D). Trata-se de um evento que junta na mesma sala mais de 600 participantes entre os quais governamentais, activistas e especialistas da sociedade civil com objectivo de desenvolver soluções tecnológicas que cheap jerseys promovam o alcance dos objectivos do desenvolvimento sustentável do milénio.

O primeiro dia da Conferência contou com uma série de apresentações Um com enfoque para sistemas que procuram reduzir o distanciamento entre o governo/parlamento e os cidadãos. A maior parte da população no Gana não tem ideia do que é o parlamento, como funciona ou como o parlamento afecta o seu dia-a-dia. Kwami Ahiabenu desenvolveu uma plataforma online Penplusbytes onde 101 os cidadãos podem ampliar cheap nfl jerseys as suas vozes to e se fazerem ouvir através do SMS ou do Whatsapp.

Nas próximas eleições gerais Warriors’ agendadas para 2017 no cheap nfl jerseys Quénia, os cidadãos não precisarão sair a rua ara procurar por postos de votação. O Code4Africa desenvolveu um plataforma GoToVote em as que os cidadãos poderão, antes de sair de casa, pesquisar no celular o posto mais Переезд próximo.

A ideia cheap jerseys central abordada no primeiro dia é de que não podemos cheap nfl jerseys ver a tecnologia como um fim, mas como uma ferramenta que deveremos usar no sentido de melhorar e facilitar a circulação da informação para a melhoria de vida das pessoas. Vários outros serviços foram apresentados, tais ligados a saúde, governação e jornalismo cidadão.

Conferência ICT4D

1 Comments

  1. Arlindo

    Seria relevante que as tecnologias de informação estivessem ao dispôr dos povos.Notamos em Moçambique a tendência de tornar mais oneroso o acesso à Internet.Preocupante,o que poderá arredar as pessoas ao uso das várias plataformas.Parece que os poderes andam no sentido contrário.Também consideraria relevante o envolvimento de várias multicionais na promoção e compromisso na senda da popularização das tecnologias,particularmente em África.Cabe-nos a iniciativa sem retirar os apoios externos.África precisa de ser pensada,antes por nós

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *